Posted by : Renato Otero 2.0 quinta-feira, 15 de agosto de 2013


Tereza Brant é de Belo Horizonte, tem 20 anos, 4 mil amigos no Facebook e 37 mil seguidores na rede social. A fama na internet começou quando suas fotos começaram a ser compartilhadas com um alerta: esse "gato" aí ao lado é uma menina aparentemente bem resolvida com sua sexualidade.

Há nove meses, Tereza começou a malhar e a tomar hormônios masculinos com a orientação de um médico e de uma personal trainer. Ela quer ter a aparência de um menino e, para isso, corta o cabelo e usa roupas masculinas. O apoio da família foi determinante para a própria aceitação.

— Eles sempre perceberam um comportamento diferente em mim e procuraram entender, e não reprimir ou me impor o que eles achassem que fosse certo.

Tereza malha cinco vezes por semana em BH com uma personal trainer para manter o físico masculino. Apesar do apoio à causa LGBT, não se sente exatamente parte de nenhuma categoria de gênero, como homens, mulheres, travestis ou transexuais.

Ela pesquisou os efeitos dos hormônios usados por transexuais e escolheu o indicado por um médico para não ter prejuízos à saúde. No entanto, ela não revela qual medicamento usa. Na foto ao lado, tirada há cerca de quatro anos, Tereza ainda exibia cabelos longos e "jeito" de menina, mas se considerava "parada no tempo".

A adolescente, que parou de estudar depois do Ensino Médio, sonha em entrar para a carreira artística. Tereza Brant afirma que não tem preferência por meninos ou meninas, mas se interessa "pela pessoa, antes de pensar se é homem ou mulher". Curiosamente, recebe mais cantadas de meninas entre 13 e 17 anos na internet.

A jovem se expõe nas redes sociais porque acredita que pode ajudar as pessoas a lidar com a própria sexualidade.

— É uma coisa muito interna, psicológica, que primeiro você resolve com você, e aí depois você vai conversar com seus pais. E seus passos seguintes dependem totalmente da reação deles. No meu caso, nosso relacionamento é muito aberto e eu tive o apoio deles.

Apesar do estranhamento, a jovem garante que os "amigos verdadeiros" não se afastaram e continuam a tratá-la da mesma forma. Vítima de preconceito constantemente, diz que sabe diferenciar brincadeiras de agressões.

— Tem gente que eu sei que não faz por mal, não é intenção, mas se passa do limite eu peço para não repetir. É que a gente nunca sabe exatamente o que atinge o outro. De resto, eu levo na brincadeira.

E os constrangimentos? Ela lembra que já foi impedida de entrar em um banheiro feminino pelo segurança de um shopping e frequentemente é questionada quando está em uma fila para mulheres. O que fazer nessa hora? "Mostrar a carteira de identidade".



Leave a Reply

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

- Copyright © DICAS AO VIVO -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -